Voltar
Cases de Inovação

COOPERAR desenvolve vinagre de cacau a partir de insumos que eram descartados

Produto da cooperativa amazonense nasceu a partir de um experimento e já representa 20% de sua produção agroindustrial

03/07/2024
Nome da Cooperativa:Cooperativa Agroextrativista do Mapiá e Médio Purus (COOPERAR)
Ramo:Agropecuário
Região:Norte
Palavras-chave:Inovação de produto, intraempreendedorismo, criatividade
Resumo:

Em busca de soluções para evitar o desperdício da polpa de cacau, a Cooperativa Agroextrativista do Mapiá e Médio Purus (COOPERAR) recorreu à criatividade e desenvolveu seu vinagre de cacau. O novo produto já representa 20% da produção agroindustrial da cooperativa amazonense, que se prepara para que esse valor siga crescendo. 

Contexto

A Cooperativa Agroextrativista do Mapiá e Médio Purus (COOPERAR) foi fundada em 2003 por 21 extrativistas da comunidade Vila Céu do Mapiá, no estado do Amazonas. Focados na conexão com a floresta, os produtos da COOPERAR têm base na cultura amazônica a fim de unir geração de renda e sustentabilidade na região.

O portfólio da COOPERAR reúne diversos produtos à base de cacau, tucumã, castanha-do-Brasil, gergelim e copaíba. Com isso, a cooperativa consegue aproveitar a riqueza da biodiversidade local para criar empregos e promover desenvolvimento social.

Nessa jornada, a COOPERAR se mantém atenta às oportunidades de agregar valor aos seus produtos e variedade ao seu portfólio. Ao estabelecer sua própria agroindústria, a cooperativa consegue gerar impactos ainda maiores para a geração de renda nas comunidades locais.

Desafios

A COOPERAR trabalha continuamente para enriquecer sua operação com novos produtos e soluções sustentáveis. Na safra de 2022, a COOPERAR estava em busca de ideias para desenvolver um produto que aproveitasse a polpa do cacau, que era totalmente desperdiçada no processo de beneficiamento das amêndoas.

Em meio à procura de caminhos para lidar com a situação, eliminar o desperdício e integrar o insumo ao processo produtivo, a cooperativa recorreu a uma ideia tida anos antes por José Antônio Camilo da Conceição, que é o atual presidente da cooperativa. A sugestão foi transformar a polpa em vinagre de cacau.

“A produção de vinagre de cacau é uma forma para a cooperativa diversificar seu portfólio, valorizar seus produtos e ainda minimizar o desperdício de alimentos”, conta Fabiula Caroline, diretora comercial da cooperativa.

Desenvolvimento

A ideia para o novo produto surgiu em 2015, quando José Antônio fez a primeira coleta da polpa do cacau para realizar um teste. Ele guardou o insumo em uma garrafa pet no decorrer de quatro meses.

Durante esse período, Conceição fez observações em experimentações com o líquido a cada 15 dias. Conforme o tempo passou, ele percebeu que a substância estava ganhando notas alcoólicas, o que plantou a semente da curiosidade sobre de produzir vinagre com ela.

Anos depois, na safra de 2022, quando a COOPERAR estava em busca de ideias para aproveitar o insumo que era descartado, o experimento de José Antônio mostrou que fazer vinagre de cacau era uma opção promissora.

Para verificar isso, a cooperativa coletou uma amostra maior da polpa de cacau, que passou por testes de fermentação nas instalações da agroindústria. Os experimentos contaram com a colaboração da engenheira de alimentos Luciana Monteiro, que é especialista em desenvolvimento de produtos à base de cacau. O piloto do vinagre de cacau foi um grande sucesso.

A produção ocorre da seguinte forma: durante a safra de cacau nativo, os cooperados recolhem a polpa que escorre naturalmente das caixas de fermentação. Em seguida, o material é armazenado em baldes e enviado para a agroindústria da COOPERAR, onde se dá o processo de fermentação. Após a filtragem, o vinagre de cacau é envasado em garrafas de 250 ml.

“Nosso vinagre de cacau selvagem é composto 100% da polpa. Por ser um cacau que nasce de forma espontânea às margens do rio Purus, ele é totalmente livre de agroquímicos”, explica Fabiula.

Resultados

Hoje, a produção de vinagre de cacau já representa 20% da produção agroindustrial da COOPERAR. Maria Carolina, que é assistente de comunicação da cooperativa, indica que esse valor deve crescer. “Nosso objetivo é aumentar essa porcentagem envolvendo cada vez mais todos núcleos produtivos de cacau”, ela explica.

Devido a seu sabor e aroma diferenciados, o vinagre de cacau da COOPERAR ganhou o apreço de chefes de cozinha e entusiastas que buscam dar um sabor requintado para suas receitas.

Diante disso, a produção de vinagre de cacau também atua como uma forma de a cooperativa criar novas oportunidades de negócios e reforçar sua presença no mercado sem perder de vista o compromisso com a sustentabilidade e a inovação.

Por meio de sua operação agroindustrial, que dá origem ao vinagre de cacau aos demais produtos de seu catálogo, a COOPERAR gera oportunidades de trabalho e fortalece o tecido social dentro das comunidades ribeirinhas da região.

Próximos passos

Agora, a fim de ampliar a produção de vinagre de cacau, a COOPERAR planeja investir na infraestrutura dedicada e beneficiamento do cacau dentro das comunidades, bem como na capacitação dos produtores cooperados.

Já em relação à atividade agroindustrial como um todo, a cooperativa se mantém atenta às oportunidades para aprimorar seus produtos, adquirir novos maquinários, desenvolver embalagens mais ecológicas e ampliar o portfólio.

“Para o futuro a longo prazo, pretendemos ampliar nossa agroindústria para desenvolvimento de mais produtos a base de cacau, castanha-do-Brasil, tucumã e gergelim”, concluem Fabiula e Maria Carolina.

Contato do responsável:

Fabiula Caroline e Maria Carolina

Diretora comercial e Assistente de comunicação

amazoniacooperar@gmail.com

Conteúdo desenvolvido
em parceria com

Coonecta