Fique por dentro

O consumidor do amanhã: tecnologia muda hábitos e aponta tendências

Acelerada pela pandemia, a transformação digital alterou padrões de consumo e as cooperativas devem ficar de olho para se adaptar aos novos comportamentos

TENDÊNCIAS20/07/20228 minutos de leitura

Vive-se uma era de mudanças constantes, e não é diferente quando o assunto é a lógica de consumo. Os hábitos dos consumidores, que já se alteravam a um bom ritmo devido à transformação digital e acesso às novas tecnologias, foram fortemente afetados pela pandemia.

Com a necessidade de as pessoas se adaptarem aos comportamentos dos tempos pandêmicos, muitas tendências que já estavam em curso foram impulsionadas e consolidadas. O e-commerce, por exemplo, já era uma realidade, mas o isolamento social tornou-o cada vez mais amplo e prevalente. E a queda das restrições não interrompeu esse movimento.

Novos contextos sociais, comportamentais e tecnológicos são fatores que convergem para impulsionar a mudança no perfil do consumidor do amanhã. Diante desse cenário, as cooperativas devem ficar de olho para compreender as tendências do mercado e as demandas do público. Dessa forma, conseguem evoluir mais rapidamente em resposta a essas mudanças.

Consumidor do amanhã cada vez mais tecnológico

A agência The Keenfolks, especializada em acelerar o desempenho comercial por meio da transformação digital, argumenta que as novas tecnologias empoderam os consumidores. Com o crescimento da conectividade à internet, o público tem a disponibilidade de acessar um volume muito grande de informações e comparar concorrentes.

Outra consequência é que, usando as redes sociais, os consumidores ganharam voz e novos canais de comunicação com as marcas. Assim, avaliações e opiniões reverberam com maior facilidade - e impacto.

A partir dessa lógica, a agência identificou 3 efeitos da tecnologia nos hábitos de consumo - e como os negócios podem lidar com isso. Confira:

1. Os consumidores estão mais conectados

Com seus smartphones, os consumidores podem fazer pesquisas sobre os produtos, perguntar detalhes aos vendedores e realizar compras sem sair de onde estão. Dados do Centre for Economics and Business Research indicam que, no Reino Unido, as pessoas gastam quase 23 bilhões de euros por ano em compras que fazem enquanto estão no transporte público.

Os pesquisadores descobriram que 43% das pessoas que participaram do estudo fizeram ao menos quatro compras por mês enquanto se locomoviam pelo transporte público.

Outro resultado dessa hiperconexão é que as pessoas estão usando as mídias sociais para pesquisar sobre os produtos antes de concluir uma aquisição. Mais da metade dos consumidores têm esse hábito.

2. Os consumidores usam múltiplos aparelhos

Celulares, computadores, tablets, relógios inteligentes, smart TVs… A variedade de produtos conectados não para de crescer. Estima-se que mais de 90% dos internautas usem mais de um aparelho para completar alguma tarefa online.

A pessoa pode conhecer um produto na televisão, pesquisar sobre ele pelo celular e efetuar a compra acessando o computador, por exemplo. Por isso, é necessário apresentar a mensagem adequada a cada situação, segmentando não só o perfil da audiência, mas a plataforma que ela está utilizando naquele momento.

3. Os consumidores têm expectativas mais altas

Com o aumento na concorrência e, consequentemente, competitividade, os consumidores esperam maior qualidade dos produtos e serviços. Ficou mais fácil comparar o atendimento oferecido dentre marcas concorrentes.

Além disso, agora o público espera ser atendido de maneira mais personalizada, respeitando seus horários e hábitos. Os efeitos de uma experiência ruim podem ser graves: 74% das pessoas já trocaram de marca porque o processo de compra estava sendo muito complicado.

  • Como adaptar os negócios: a solução para encarar essa situação pode estar justamente na adoção de ferramentas tecnológicas. Chatbots, por exemplo, ficam disponíveis 24 horas por dia e são capazes de solucionar problemas mais simples sem necessidade de intervenção humana.

As principais tendência sobre o consumidor do futuro

O futuro dos negócios é uma preocupação que chama a atenção dos principais nomes da economia mundial. Não é por acaso que diversas consultorias realizam estudos buscando antecipar as tendências sobre o comportamento dos consumidores do futuro.

Empresas como PwC, Euromonitor International, Ilegra e EY realizaram estudos que trazem tendências de inovação, consumo, design e também softwares. Para facilitar, compilamos algumas das tendências para te ajudar a entender o que podemos esperar nos próximos anos (ou menos). Confira:

Demanda pela sustentabilidade

Cada vez mais pessoas estão mantendo um estilo de vida que visa a reduzir a pegada de carbono. A consciência ambiental está se tornando uma parte mais e mais importante na lista de prioridades dos consumidores. E eles esperam que as marcas também estejam preocupadas com o meio ambiente.

Com o crescimento da prevalência dessa mentalidade, as pessoas estão demandando produtos com neutralidade de carbono e processos de produção limpos e transparentes. A “ansiedade ecológica” em relação às mudanças climáticas está fazendo com que fatores ambientais sejam levados em conta para as decisões de consumo.

As gerações mais jovens, em especial, sentem que suas escolhas fazem a diferença para o futuro do planeta. E as marcas que atendem essas aflições obtêm vantagem competitiva, uma vez que a pressão desses consumidores se reflete nos investidores e reguladores.

Idosos digitais

O consumidor do amanhã não fica restrito apenas aos mais jovens. Pelo contrário, na verdade. A população com mais de 60 anos está crescendo e ficando cada vez mais conectada. Familiarizados com soluções tecnológicas, esse público está aderindo a serviços online que os ajudam na vida diária. Além de fazer compras, essas pessoas usam a internet para socializar, consultar exames de saúde e gerir as finanças.

Com o aumento da expectativa de vida, esse público está crescendo. Até 2040, o mundo deve ter mais de 2 bilhões de pessoas na terceira idade. Esse grupo é maioria entre as pessoas de alta renda, e otimizar os negócios para atender aos hábitos desse público é fundamental para capturar o poder de compra deles.

Busca por paixões

As pessoas estão priorizando mais o tempo que têm para si. O balanço saudável entre trabalho e vida pessoal é um objetivo que guia as decisões. O tempo dedicado ao lazer e às conquistas pessoais está aumentando. Os limites entre vida pessoal e profissional estão sendo fortalecidos.

Com isso, o volume de consumidores que prefere gastar seu dinheiro com experiências em vez de objetos segue numa curva crescente. Eles estão dando preferência para marcas que corroborem esses princípios e apresentam propósitos.

Mais receptividade e menos lealdade

Desde o início da pandemia, os consumidores começaram a dar mais chances para novas marcas, escolhendo-as com base em conveniência e confiança. Assim, a capacidade de atender pedidos online de forma eficiente se apresentou como um diferencial para a decisão desse comprador.

Outro fator que afeta a lealdade às marcas está na percepção de que elas buscam mais do que apenas o resultado financeiro, mas também possuem propósitos - o que as cooperativas têm de sobra, não é mesmo?

Foco no amor próprio

Autoaceitação e autocuidado estão se tornando fatores protagonistas nos hábitos de consumo. Esses consumidores dão prioridade à felicidade e conforto, consumindo produtos e serviços que elevam o bem-estar.

Essas pessoas investem em cuidados com a mente e o corpo. Também estão aceitando gastar mais em produtos de maior qualidade que lhes dê satisfação pessoal e sejam consonantes com suas identidades.

No longo prazo

Pensando de forma ainda mais distante no tempo, a Euromonitor elaborou um relatório apresentando insights sobre o futuro do comércio em 2040. Confira algumas das reflexões:

  • Consumidores do futuro anseiam por mais experiências únicas
  • Casas automatizadas têm apelo aos consumidores que desejam simplificar a vida
  • Clientes ainda consomem em lojas físicas, quando querer ver ou experimentar os produtos

Antecipar tendências

A busca por tentar entender os cenários futuros a fim de antecipar os desafios passa pela tarefa de encontrar, interpretar e decifrar tendências. No InovaCoop, estamos sempre atentos a às movimentações e mudanças que afetam os negócios do cooperativismo. Tanto que já produzimos este texto explorando as tendências de consumo que impactam diretamente as cooperativas.

Como a tecnologia é um fator central nas mudanças de comportamento dos consumidores, você também pode conferir nosso e-book Transformação Digital: as principais tendências tecnológicas que prometem afetar os negócios. Comunicação e marketing são partes importantes no processo, e também tratamos delas.

A importância dessa tarefa é tanta que há profissionais que estudam e se dedicam a entender melhor esses fenômenos. Por isso, ainda desenvolvemos o curso online de pesquisador de tendências.

Consumidor do futuro em destaque na Semana da Competitividade

Entre os dias 22 e 26 de agosto de 2022, o Sistema OCB promoverá a Semana da Competitividade. A programação, que conta com atividades presenciais e online, discutirá temas fundamentais para os negócios das cooperativas, no intuito de torná-las cada vez mais competitivas.

O evento contará com palestras, mesas redondas, labs, espaço de intercooperação, rodada de negócios nacional e internacional, entre outras atividades.

Na Trilha de Inovação, a Semana da Competitividade trará a palestra “O consumidor do amanhã”. Em tempos de mudanças agudas nos hábitos de consumo, é necessário estar preparado para as novas demandas.

A Futures Unit Box by Box 1824 vai apresentar as tendências tecnológicas e comportamentais para que o cooperativismo esteja por dentro dos cenários que se avistam no horizonte. Clique aqui para conferir toda a programação da Semana da Competitividade!




Conteúdo desenvolvido
em parceria com

Coonecta